Home » Destaque, Notícias » Agentes orientam população sobre o vírus chikungunya em Campinas, SP

chikungunyaAgentes de saúde fazem um trabalho de orientação com os moradores de Campinas (SP) sobre o vírus chikungunya. Apesar de não haver nenhum caso registrado no município, os cuidados com a doença devem ser redobrados já que ela pode ser transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, o mesmo da dengue.

Equipes da Vigilância em Saúde visitaram casas e orientaram a população sobre a eliminação de possíveis criadouros. Os primeiros casos da doença chegaram em Campinas entre maio e junho deste ano, depois da contaminação de 13 soldados que voltaram de uma missão de paz no Haiti. Todos foram isolados e tratados.

Além do trabalho com a população, 528 profissionais da saúde, entre médicos e enfermeiros, já foram treinados para o atendimento de casos suspeitos. É preciso saber diferenciar os sintomas da febre chikungunya, que são muito parecidos com os da dengue, mas o tratamento é diferente e o risco de uma epidemia é maior.

Incubação

O médico epidemiologista da Vigilância em Saúde, André Ribas Freitas, explica que o tempo de incubação do vírus é menor. “O mosquito pica uma pessoa com a doença e já começa rapidamente a transmitir”, afirma.
Além disso, segundo o especialista existe também uma outra preocupação. “É que a população brasileira nunca teve contato com esse vírus, então todos são suscetíveis”, destaca.

As duas doenças podem matar e têm sintomas muito parecidos. Febre alta, dor muscular, dor nas articulações, dor de cabeça e manchas avermelhadas pelo corpo. A diferença está basicamente nas dores nas articulações, que são mais intensas na febre chikunguya, principalmente nos punhos, cotovelos, joelhos e tornozelos.

Até o momento, não há nenhum caso em Campinas, mas já existem vários em outras partes do país, como na Bahia, por exemplo, e destinos turísticos comuns aos brasileiros como o Caribe.

Do G1 Campinas e Região

Deixe uma resposta

© 2014 SINDIMED