Home » Destaque, Notícias » Só cirurgias de urgência serão feitas nas Santas Casas

susNesta segunda-feira (8), não serão realizados procedimentos eletivos (não-urgentes) na maioria dos hospitais beneficentes e Santas Casas do País. A paralisação tem o objetivo de sensibilizar a população sobre a delicada situação financeira enfrentada pelos hospitais.

Será realizado um ato público em todo país, às 10 horas, que está sendo organizado em conjunto pela Confederação das Santas Casas, pela Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, em parceria com as Federações e Frentes Parlamentares Estaduais.

No sábado (6) à tarde, a Santa Casa de Piracicaba reuniu a imprensa para manifestar o apoio ao movimento. Estiveram presentes o provedor local, Adilson Zampieri e o membro da Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes de São Paulo (Fehosp), João Orlando Pavão.

Segundo eles, o atendimento será suspenso apenas nas cirurgias eletivas. Já prevendo a paralisação para esse dia, a direção da Santa Casa de Piracicaba optou em não agendar cirurgias.
Em todo país, o principal objetivo é promover a discussão e um alerta à sociedade sobre o subfinanciamento do Sistema Único de Saúde (SUS), com ênfase na realidade da crise das Santas Casas e Hospitais Beneficentes.

O ato prevê bloquear todo o agendamento eletivo nesta data, como ação de protesto. Porém, está garantida a assistência nos casos de urgências e emergência.

A pauta de reivindicações prevê o reajuste de 100% para os procedimentos de média e baixa complexidade da Tabela SUS.

Pavão explicou que se trata de uma paralisação nacional. “A meta é que esse ato sensibilize as esferas públicas em torno desse problema. Caso isso não aconteça, outras atitudes mais extremas podem ser tomadas, como a paralisação por mais dias”, alertou. 

Em Piracicaba, 67 % dos atendimentos são realizados pelo SUS, que deveria atender apenas 60%. “Quanto maior o atendimento no SUS, maior o déficit financeiro”, explicou Zampieri.

Edson Rogatti, diretor-presidente da Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes de São Paulo (Fehosp), explicou que o movimento não irá prejudicar a população. “Fizemos o reagendamento do que foi possível e os atendimentos e cirurgias que não deveriam ser adiadas, não foram”.

O “Movimento Tabela SUS-Reajuste Já” foi iniciado em 2012 e vem promovendo diversos encontros e ações públicas para mobilizar a sociedade.
André Luís Cia
#gazetadepiracicaba

Deixe uma resposta

© 2013 SINDIMED